Blog GoNext

Valores invisíveis de marca e o futuro dos modelos de negócio são foco do GoNext CEO

O fórum GoNext CEO desta quinta-feira, 29 de abril, convidou o empreendedor criativo Fernando Suzuki para provocar e propor reflexões a um seleto grupo de executivos sobre “Marcas invisíveis e empresas que vão desaparecer”.⠀⠀

⠀⠀

O empresário, que atualmente vive nos Estados Unidos, trabalha guiando empresas na aceleração à inovação e construção de estratégias preditivas de antecipação de modelos de negócio. Fernando Suzuki é presidente da Brazilian Advertising Group (BRAG), CEO da MBi – Master of Business Innovation, além de fundador da BicyCoin e da Suzuki Agency.⠀⠀

⠀⠀

A linha de partida do debate foi colocar luz sobre a limitação que muitos líderes empresariais têm sobre o que abrange comunicação de marca. Nesse processo, existem valores invisíveis que são deixados de lado pela maioria das empresas.

 

Esses valores são amplamente utilizados pelos maiores players do mercado em cada segmento. O “invisible branding” ou “ações invisíveis de valor de marca” são aqueles pontos de identidade da marca que geram experiências de conexão a partir do som ou de um atendimento exemplar do início ao fim no contato do consumidor com a marca.

 

Do ‘plim-plim’ da Globo ao ‘tu-dum’ da Netflix, sem esquecer do “Tema da Vitória” que até hoje representa grande valor sentimental para a população brasileira, Fernando

Suzuki explicou como esses sons estão conectados a marcas que conseguem aliar amplitude sensorial a bons resultados de negócio.

 

“O que permitiu que a inteligência humana se desenvolvesse foi a habilidade de se comunicar dentro de comunidades tribais para se entender. A comunicação foi o grande motor da inteligência humana. Nos negócios, isso não é diferente. Não basta ter um site, não basta ter uma marca, não basta ter um produto. É importante que este produto fale”, reflete o empresário.

Aproximar-se das vozes que movimentam milhões

Mais do que acompanhar tendências, Fernando Suzuki está presente nessas movimentações. Uma das experiências compartilhadas no GoNext CEO retrata como podemos enxergar o novo valor do “invisible branding” no mercado: o fenômeno Clubhouse.

 

Suzuki gerencia uma sala no Clubhouse que já movimentou, pela comunidade criada na plataforma, 25 milhões de reais em investimentos em novas empresas e novos negócios nos últimos 3 meses.

 

Pela conexão dialógica em uma plataforma de comunidades de áudios podemos começar a desenhar como a atenção aos detalhes invisíveis de marca são essenciais para as empresas hoje. E o futuro exigirá ainda mais maturidade para isso. “Comecem a repensar a comunicação dos produtos das empresas de vocês, para que consigam identificar o melhor som para a marca. Essa provocação é para te lembrar que sua marca vai ter que mudar!”, orientou.

 

A amplitude dos valores invisíveis

Os valores invisíveis das marcas são, no entanto, mais complexos do que um som icônico. Fernando explica que os aspectos não visíveis desses valores ganham cada vez mais importância na relevância dos posicionamentos e exemplifica que alguns desses aspectos são:

  • a visão do CEO
  • o treinamento de alto padrão dos colaboradores
  • estratégia de preço
  • relações com os consumidores

 

“É importante vocês praticarem os valores da sua marca em cada ponto de contato com os seus clientes e nas relações interpessoais dentro dos seus negócios”, orientou. E a melhor maneira de identificar como traduzir esses valores de forma efetiva é desenvolver seu potencial de inovação.

 

O futuro tem espaço para o que sua empresa é hoje?

“Nos próximos 10 anos, as empresas como vocês conhecem não vão mais existir”, disse o empresário. Por isso, para Fernando é impossível falar de futuro e longevidade sem a análise criteriosa dos modelos de negócio.

 

O presidente da Brazilian Advertising Group apresentou cases da Amazon, que transformou o varejo por meio de um negócio de logística, da Apple e do impacto do iPod na indústria da música, empresas de jornalismo e a obsolescência do espaço publicitário nas TVs e outros meio tradicionais de comunicação, mostrando também novas perspectivas para as áreas de medicina, jurídica e outras.

 

O que todos esses casos tiveram em comum foi uma alta capacidade de explorar o potencial inovador, não só dos produtos e serviços, mas do modelo de negócio.

 

“É necessário o movimento de mudança de mindset para que suas empresas continuem prosperando. Existem modelos de negócio que precisam ser repensados como um todo e dá pra fazer isso de forma equilibrada. O caminho é desenvolver cultura, trazer para dentro do negócio pessoas que entendam de inovação” explicou.

 

“Inovação é identificar potenciais novos numa sociedade que já mudou. Identificar novos consumidores, novos comportamentos”, comentou Fernando Suzuki ao apresentar o Índice Global de Inovação, que mede crescimento de mercados e prospecção para o futuro.

 

O Brasil é o 62° em produção de inovação, mas o 3º em consumo e adoção de inovação. “Nosso país está criando um novo conceito: o subdesenvolvimento inovador. É hora de promover um novo momento de empreendedorismo no país. Para isso, precisamos de líderes que não virão mais da administração, do direito, da saúde. Precisamos de líderes da inovação”, finalizou.

 

GoNext CEO

A GoNext Governança & Sucessão reúne mais de uma década no desenvolvimento de performance empresarial e longevidade por meio da governança corporativa junto a empresas familiares do Brasil e dos EUA.

 

Essa expertise deu fruto a fóruns especializados e segmentados para diversos perfis de liderança empresarial. O GoNext CEO promove atividades para grupos de CEOs e C-Levels de diversas empresas, com atividades exclusivas de formação e desenvolvimento, encontros mensais para a troca de experiências, acompanhamentos individuais e mais.